Top

Depois de 15 meses preso, Justiça manda soltar empresário londrinense investigado em fraude no DPVAT

Depois de mais de um ano na cadeia, a Justiça mandou soltar o empresário Márcio Cantoni, 42 anos. Ele é investigado por envolvimento em fraudes no pagamento do DPVAT, o seguro obrigatório. Ele foi preso em dezembro de 2019 em um hotel de luxo em Minas Gerais. Na ocasião, ele chegou a apresentar um documento de outra pessoa, mas pressionado, confessou a verdadeira identidade e ofereceu R$ 5 mil aos policiais para não ser preso. Acabou detido por corrupção ativa, uso de documentos falsos e porte de droga para consumo pessoal.

O empresário é investigado pelo Grupo de Atuação de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) por associação criminosa, estelionato e apropriação indébita.

Segundo o Ministério Público, ele chefiava o grupo criminoso, que “identificava e atraia as vítimas, entrava com ações judiciais em nomes delas pedindo indenizações do seguro obrigatório, mas o dinheiro não era repassado às vítimas, mas sim dividido entre os integrantes da quadrilha”.

Reprodução

Márcio Cantoni era dono da Cantoni Revisões, que chegou a ter filiais até no nordeste do país. A defesa do empresário fez vários pedidos de liberdade, no entanto todos foram negados. Neste, os advogados usaram outros argumentos.

Apontaram que há um surto de Covid-19 no presídio onde está detido e que o cliente já ficou doente, estando em risco por falta de estrutura de atendimento para sua saúde. Também indicaram que, neste momento, a liberdade do empresário não colocaria mais em risco as investigações.

O próprio Ministério Público concordou com o pedido de soltura, que foi aceito pela Justiça.

Márcio Cantoni foi autorizado a deixar a cadeia, mas não poderá ter contato com outros investigados, não poderá sair de casa durante a noite, está proibido de manter atividades econômicas de suas empresas e ainda ficará com monitoramento eletrônico, com tornozeleira pelo prazo inicial de 90 dias.

Fonte: G1

Faça um Comentário